Pesquisadora que foi 1ª da UFRJ e pesquisava sobre zika perde bolsa por cortes de Bolsonaro

Gabriela Pinheiro, jovem pesquisadora da UFRJ, foi primeiro lugar na prova de Doutorado na faculdade carioca, e descobriu ontem que por causa dos cortes de Jair Bolsonaro à Capes, ficara sem bolsa para seguir sua pesquisa. Ela pesquisava sobre o uso do zika para tratamento de tumores cerebrais.

Com os cortes de Bolsonaro nas bolsas da Capes nesta semana – o anúncio foi de mais de 5.613 bolsas – o governo já totaliza mais de 11 mil bolsar cortadas este ano só na Capes. A consequência dos cortes são pesquisadores sem emprego, e pesquisar importantes para a população paralisada por não terem verbas.

Esse é o caso de Gabriela Pinheiro, jovem pesquisadora da UFRJ, que foi 1° lugar nas provas de doutorado, e estava desenvolvendo pesquisas na área da saúde, sobre como o zika pode ajudar nos tratamentos de tumor cerebral. Ela agora se encontra numa situação em que é impossível seguir sua pesquisa, e sem sustento de vida, pois recebia uma bolsa de R$ 2.200.

“Meu projeto no doutorado era estudar o potencial do vírus zika no tratamento do tumor glioblastoma (tipo de tumor cerebral)” disse Gabriela em entrevista para o jornal O Estado de S. Paulo. “A expectativa de vida dos pacientes diagnosticados com esse tumor é de aproximadamente 15 meses porque é um tumor extremamente resistente ao tratamento.”

Segundo ela, os documentos necessários para a bolsa da Capes foram entregues na segunda-feira, e mesmo tudo aprovado, na terça-feira ela descobriu que já não possuía mais a bolsa, impedida assim de continuar sua pesquisa.

“Agora não sei o que fazer. Sem bolsa, não dá pra continuar. E o nosso projeto é de extrema importância para a saúde pública. Está cada vez mais difícil fazer pesquisa no Brasil.”

Veja também: Contra os cortes e o Future-se de Bolsonaro: ampliar e coordenar a luta pela educação

E de fato, com os ataques de Bolsonaro à Capes, e também à CNPq, que já tem previsão de encerrar cerca de 84 mil pesquisas por falta de verba, retirando bolsas e valores de investimento em pesquisa, ficará cada vez mais difícil fazer pesquisa no Brasil, especialmente se as pesquisas não atenderem diretamente os interesses das empresas privadas que Bolsonaro e Weintraub querem nas universidades federais – através de outro ataque importante à ciência e à autonomia universitária, que é o Future-se.

Veja mais: Proposta orçamentária de Bolsonaro para CNPq deve acabar com fomento à pesquisa científica

Os ataques de Bolsonaro já geraram rápida reação de setores do movimento estudantil e de comunidades universitárias de algumas federais nesta semana. São parte delas por exemplo, a UFSC, que realizou ontem uma plenária de 3 setores (com estudantes, professores e funcionários) que declarou seu repudio ao Future-se e declarou greve numa assembléia imensa.Na Universidade Federal do Ceará os estudantes ocuparam a reitoria, abrindo conflito com o interventor escolhido por Bolsonaro. Na UFFS os estudantes também ocuparam a reitoria se colocando contra o interventor escolhido pelo presidente. Na UFRJ, uma das universidades que mais sentirá a falta dos recursos, membros da APG (Associação de Pós Graduandos) soltou uma nota de repúdio à todos os cortes.

FONTE: http://esquerdadiario.com.br/Pesquisadora-que-foi-1%C2%AA-da-UFRJ-e-pesquisava-sobre-zika-perde-bolsa-por-cortes-de-Bolsonaro

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Wordpress Social Share Plugin powered by Ultimatelysocial