Moro: o juiz que virou um puxa-saco

Será verdade que “o puxa-saco sai até na radiografia do chefe.”?

Enquanto Lula é reconhecido e respeitado nacional e internacionalmente… é agraciado com o título de cidadão de Paris…

O saco do Bolsonaro arde…

Moro vive pendurado nele…

Por isso, ainda não caiu…

Pessoal… Bajular é palavra que vem do latim bajulare, que significa adular servilmente.

Olhe para o Moro… Não é difícil encontrar o bajulador, o puxa-saco do chefe.

Esta semana a revista Veja, aquela mesma que perseguiu Lula por vários anos…

Entrevistou o ex-juiz Moro… O cara que ganhou de presente o Ministério da Justiça por ter prendido ilegalmente Lula o impedindo de disputar as eleições…

Esse mesmo…

Vejam parte do texto que o Fernando Brito do Tijolaço escreveu sobre a entrevista:

Quem “pegou” primeiro o significado da imagem da capa da Veja com Sergio Moro foi o jornalista Luís Costa Pinto.

“O ex-juiz, apequenado, está desconfortável na cadeira – ela, visivelmente, não é para alguém com a estatura dele: observem que os pés por um milímetro não ficam balançando no ar. Para sentar ali, diz o mobiliário histórico [do Ministério da Justiça], tem de ser maior em tudo do que essa ameba disforme e sem núcleo pensante.

De fato, na entrevista, Sergio Moro mostra ser capaz de dizer tudo o que vai agradar os ouvidos do chefe Bolsonaro: que não é candidato em 2022, que não tem pretensão política alguma, que nunca teve problemas de relacionamento com o presidente e que jamais esteve perto de demissão.

A sinceridade de Sergio Moro equivale à sua imparcialidade como julgador. E ambas valem coisa alguma.

O fato objetivo é que, desde que deixou o castelo da Lava jato, onde imperava sem que alguém abrisse o bico para contestá-lo, Sergio Moro só fez encolher.

Por José Gilbert Arruda Martins

Fonte:

https://www.conversaafiada.com.br/politica/moro-na-veja-o-retrato-de-um-mimiministro-apequenado

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *