Lula é hoje a única instituição política de pé no Brasil

De 2013 até aqui o Brasil foi quase que completamente desmontado.

Tudo orquestrado de fora do país numa invasão neocolonial que não precisou da violência dos aviões de guerra nem dos tanques dos ditadores.

A orquestração usou e abusou das instituições.

Todas elas, uma a uma foram sendo capituladas.

Toda a estrutura de mídia conservadora participou organizadamente do conluio que sacrificou o país e seu povo.

As instituições brasileiras destruíram a democracia de dentro para fora.

Uma democracia jovem que precisava ser cuidada, mas, foi quase que completamente engolida pela fome insaciável dos rentistas que patrocinaram o desmonte.

Os partidos políticos de direita, quase todos, entraram em parafuso.

A destruição foi tamanha que fez surgir no cenário partidário até agremiações de extrema direita.

Todas as instituições, do juiz de direito lá da base do sistema judiciário ao STF dito guardião da Constituição, todos foram engolidos pelo desmonte.

De uma certa forma, até partidos ditos de esquerda tiveram dificuldades.

O PT foi um dos poucos que cresceu apesar da perseguição.

O PCO, velhos e bons camaradas de luta, se manteve firme.

A exceção dessas, todas as outras instituições do país malogrou.

Uma delas, subestimada pelo golpistas daqui e de fora, manteve-se forte, altiva e serena na luta apesar da violência extrema que sofreu.

Esta instituição chama-se Luís Inácio Lula da Silva.

O povo, à sua maneira, ajudou a mantê-la firme e forte.

A “Vigilia Lula Livre” é o grande bastião dessa luta democrática.

Lula é hoje a única instituição política de pé no Brasil.

Tudo ou quase tudo desmoronou.

O ex-juiz federal e atual ministro da Justiça Sérgio Moro, o procurador Deltan Dallagnol e o ex-procurador-geral da República, Rodrigo Janot, entre outros juízes e procuradores, fizeram tudo o que parecia perfeito. Aderiram a uma trama arquitetada nos Estados Unidos, que contava inclusive com apoio dos setores conservadores no Brasil, para impedir a expansão do país como potência no tabuleiro geopolítico mundial.

“No entanto os agentes da Lava Jato cometeram o erro de subestimar Lula como a maior liderança popular da história do país e uma das maiores do mundo. Acreditaram que ao ser trancafiado em Curitiba, Lula receberia uma banana da sociedade e ali seria esquecido para sempre – o que não aconteceu”, avalia o jornalista Fernando Rosa, autor do livro A Ousadia dos Canalhas: A Lava Jato que o Brasil não viu.

Por José Gilbert Arruda Martins

FONTE:

IMAGEM:

RICARDO STUCKERT

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *